BIOLOGIA

Este é o blog dos alunos de Biologia da Universidade de Évora

quinta-feira, junho 16, 2005

"OS TRÊS RR"

Por favor, leiam este artigo pois é muito importante pra todo o pessoal de Biologia (e não só). O artigo é um pouco extenso mas vale a pena ler:

"EM PORTUGUÊS QUANDO SE FALA NOS TRÊS RR pensamos logo no slogan ambientalista que defende reduzir, reutilizar e reciclar. Há, no entanto, uma outra área em surgiu este código dos três erres para transmitir uma ideia. Neste caso é a utilização de animais em experimentação e as palavras usadas Replacement, Reduction, Refinement, surgiram primeiro num livro sobre experimentação animal por William Russell e Rex Burch. Na tradução para português poderemos perder um R mas o importante é a ideia: Substituição, Redução, Refinamento. Um dos argumentos a favor da experimentação animal é que ela é um "mal necessário". Isto está longe de ser verdade, já que se sabe que muita investigação que usa animais não tem aplicação prática e é completamente descontrolada. Aquela que eventualmente pode ser útil, tanto para aprofundamento da ciência pura, como para ensino, como para utilização prática, deve sofrer grandes alterações à luz destes três conceitos. São várias centenas de milhões de animais por ano que agradecem.
A SUBSTITUIÇÃO É A MAIS EVIDENTE - devemos procurar alternativas ao uso de animais vivos. Isto pode ir do uso de cadáveres até ao de tecidos animais, bonecos ou modelos de computador. Por exemplo, uma coisa tão simples como um médico aprender a suturar, pode ser feita num boneco, ou mesmo numa almofada. Muitas universidades na Europa e América deixaram de usar animais nas suas aulas de medicina, pois descobriram que conseguiam o mesmo efeito com cadáveres, modelos ou programas de computador. A substituição muitas vezes não é feita por preguiça ou conveniência. A substituição pode ainda tomar outras formas. Ou seja, se for impossível proceder à experimentação sem a utilização de tecidos vivos, podemos usar culturas de células ou seres não sencientes (a hidra, por exemplo, sofre alterações de crescimento perante compostos que provocam alterações nos embriões de vertebrados. Ou seja, este animal inferior serve perfeitamente para controlar a presença de certas substâncias).
A REDUÇÃO TAMBÉM É ESSENCIAL, já que com frequência as experiências são repetidas vezes sem conta apenas para esperar um resultado ligeiramente diferente. Se animais tiverem de ser usados, deve-se ter o cuidado de usar o número mínimo para que a estatística confirme os resultados mas sem cair no extremo oposto que pode implicar a repetição de testes. Por outro lado, deve haver sempre o cuidado de rever a literatura científica sobre estudos efectuados sobre temas parecidos, para que os resultados possam ser usados e não se tenha de repetir experiências. Esta é uma das razões que deve impelir a legislação a obrigar toda e qualquer instituição ou empresa a tornar públicos os métodos e resultados das suas experiências com animais. Esta medida poderia poupar o sofrimento a milhões de animais e reduzir a sua densidade nos laboratórios.
O REFINAMENTO É A PALAVRA que indica um maior cuidado com o desenho de uma experimentação, com a escolha dos animais, com a forma como são mantidos e com o respeito com que são lidados. Nem todas as experiências implicam sofrimento se forem preparadas com os devidos cuidados e os animais sejam mantidos nas devidas condições. Se, pelo contrário, for previsível alguma dor, devem ser procurados os melhores meios de controlo através de anestesia ou analgesia. Em casos extremos não deve ser permitida a reanimação de um animal anestesiado se for previsível um elevado sofrimento. Por exemplo, porcos e outros animais submetidos a intervenções cirúrgicas em que apenas se quer aperfeiçoar certa técnica e não há necessidade de observar a recuperação, devem ser eutanasiados.
OS TRÊS RR NÃO SIGNIFICAM que a experimentação animal seja aceitável desde que cumpridas as regras. O que se pretende é reduzir um mal que, não sendo a maior parte das vezes necessário, ainda é muito utilizado. Para que este código de conduta funcione, é imprescindível que cada instituição, cada empresa ou cada organismo que trabalhe com animais forme uma comissão com a nobre missão de zelar pelo bem-estar e defesa daqueles animais que entram no campo da experimentação."

Este artigo é da autoria de Tomás de Montemor e foi publicado na Notícias Magazine de 12 de Junho de 2005, suplemento do Jornal de Notícias e Diário de Notícias.

Quero ver aqui comentários a este artigo!

3 Comments:

  • At 3:10 da tarde, Anonymous Jeanne said…

    Acho excelente que se dê atenção a este assunto que a mim me toca tanto!!!, mas que para muitos ainda não tem a devida importância. A realidade dos direitos dos animais é algo que não existe simplesmente. E para piorar as coisas, é um assunto globalmente ignorado, infelizmente até por aqueles que defendem outras causas justas... Os animais, são em quase todas as culturas usados e abusados para todo o tipo de fins... É uma verdadeira chacina sem limites... Em relação a esta questão dos 3 R's, dada a situação actual e apesar de eu defender que qualquer experiência que causa sofrimento a um animal não deva ser feita, se fosse devidamente aplicada e difundida, já estaríamos no bom caminho da instituição dos direitos dos animais. Porque eles também sofrem.

     
  • At 3:49 da tarde, Blogger Marco said…

    Concordo com tudo o k disseste Jeanne.

    E espero ver aki + comentários...

     
  • At 11:19 da tarde, Blogger Áni said…

    concordo contigo jeanne!
    Para um primeiro pequeno passo, esta ideia pode ser levada a cabo mas não é completamente justa!

    Não podemos esquecer que não somos os superiores, nem estamos no topo. Pertencemos a um vasto leque natural de seres. Somos nada, ou somos um pouco dessa fatia do bolo que é a Natureza.
    *

     

Enviar um comentário

<< Home